terça-feira, 20 de setembro de 2016

Provavelmente você investe errado na previdência, diz especialista

SÃO PAULO – Quando se pensa em investimento para a aposentadoria, logo se pensa na previdência privada. Afinal, aprendemos desde cedo que, investindo um pouco a cada mês, é possível conseguir uma aposentadoria melhor com essa modalidade de investimento. No entanto, por mais que possa ser uma boa aplicação, a maneira como as pessoas costumam utilizar esse instrumento é totalmente equivocada, acredita Annalisa dal Zotto, planejadora financeira e sócia da Par Mais Empoderamento Financeiro.
“As pessoas contratam planos de previdência sem entender a tributação deles, suas taxas e como se aproveitar dos benefícios fiscais que eles podem proporcionar. A previdência não é ruim, as pessoas que investem completamente errado nela”, crava a executiva.
A primeira coisa que o investidor precisa entender nesses planos é a diferença entre um VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) e um PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre). O primeiro conta com tributação de imposto de renda somente sobre seus rendimentos, enquanto o segundo conta com tributação sobre o montante total. Contudo, a vantagem do PGBL está no fato que o investidor que optar pelo modelo completo de declaração de imposto pode deduzir até 12% do total de sua renda tributável ao aplicar nesse plano.
O investidor também deve ficar atento ao regime de tributação escolhido, aponta Annalisa. Existem duas tabelas que podem ser escolhidas: a progressiva e a regressiva. Na primeira, o valor da mordida do leão aumenta conforme sobe o valor que será sacado, até um teto de 27,5%. Já na segunda, o investidor de longo prazo é beneficiado, pois a medida utilizada é o tempo e investimentos com prazo superior a 10 anos são taxados em apenas 10%.
“Assim, se você optar por um PGBL na tabela regressiva, pode deixar de pagar imposto de renda agora sobre uma parte de sua renda para depois pagar uma alíquota de apenas 10%. É uma estratégia tributária que faz total sentido”, explica a planejadora financeira.
Annalisa ainda destaca que o investidor deve sempre ficar atento às taxas de seu plano de previdência. “Não existe justificativa para aceitar a taxa de carregamento, nem taxas de administração muito altas. O investidor deve sempre buscar seguradoras independentes, uma vez que não encontrará bons planos de previdência em bancos de varejo”, finaliza.
InfoMoney



Nenhum comentário:

Postar um comentário